Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Twitter


calendário

Novembro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930


Pesquisar

 


Bloco quer redução do IMI

Segunda-feira, 18.11.13

 

Câmara Municipal de Santa Maria da Feira anunciou que quer manter os valores de IMI e de derrama praticados no concelho.

 

O Bloco de Esquerda discorda desta opção e quer ver uma redução no IMI cobrado aos munícipes, apresentando 3 razões essenciais para que tal venha a acontecer:

     1) Muitas famílias que no passado tiveram recursos económicos para adquirir casa própria estão hoje a viver muitas dificuldades. É bem sabido que muita da chamada classe média desapareceu nos últimos anos;

     2) A esmagadora maioria das famílias está hoje a pagar muito mais IMI por causa das reavaliações que foram feitas no ano passado aos imóveis;

     3) Perante a atual crise, em que os rendimentos baixam e o Governo central leva o que resta em impostos, é necessário que os impostos municipais, cobrados diretamente pela Câmara, baixem, aliviando o esforço financeiro das famílias.

 

Por isso, o Bloco de Esquerda propõe a redução do IMI cobrado no concelho de Santa Maria da Feira. É uma medida que protege os rendimentos das famílias e que as alivia de mais impostos.

 

Propõe ainda que as habitações que se encontrem degradadas ou devolutas sejam alvo, essas sim, de um aumento do IMI, de forma a incentivar, por exemplo, a requalificação do património habitacional, o mercado de arrendamento e de forma a combater a especulação imobiliária no concelho.

 

O Bloco de Esquerda quer também que, em sede de derrama, seja implementada uma taxa reduzida de 1% (em vez dos atuais 1,5%) para comércio e empresas instaladas no concelho que tenham um volume de negócios inferior a 150 mil euros anuais, ajudando assim o pequenos e médios empresários a resistir a um momento de crise económica.

 

Discordamos ainda da forma como o atual presidente da Câmara, Emídio Sousa, abordou a questão da redução de IMI. Disse Emídio Sousa que se quer ter ação social não se pode reduzir impostos. É uma afirmação falsa e demagógica. Falsa porque nenhum Orçamento se baseia apenas em receita proveniente do IMI e despesa para ação social; demagógica porque tenta fazer crer que a carga de impostos a que força as famílias do concelho servem para ação social, o que não é inteiramente verdade.

 

A quebra de receitas do IMI devem ser compensadas com poupanças a vários níveis na autarquia: redução de orçamento para publicidade e marketing feito pela Câmara; redução da despesa com licenças de software ou redução das despesas que advêm da encargo com a dívida. Destas e doutras poupanças pode surgir orçamento para reforçar a ação social, permitindo, ao mesmo tempo, reduzir os impostos sobre as famílias e sobre o pequeno comércio e a pequena indústria.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Administração às 19:42


Comentários recentes

  • Anónimo

    Este paraquedista so falou da zona de lazer de Aze...

  • Anónimo

    APOIADO NO QUE AFIRMASMUITO OBRIGADO

  • Anónimo

    Acham que esse candidato deveria ter ganho? Para u...

  • Anónimo

    TU DEVES SER MAIS QUE PARVO, OU TENS UM RABO MUITO...

  • Anónimo

    comentário do dia das eleições, só falta o padre d...

  • Gertrudes Pinheiro

    Olá Kaskaedeskaska a Banana!Alguém me sabe dizer q...

  • Anónimo

    Os ratos fugiram. Vão ter que mentir e depois resp...

  • Anónimo

    vai haver festa

  • Anónimo

    Fiquei CHOCADA com a falta de informação deste com...

  • Anónimo

    Tudo seria fácil se o senhor Delfim Silva tivesse ...