Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




calendário

Novembro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930


Pesquisar

 


Bloco desafia partidos a condenar o “assassinato de dois ativistas em Angola”

Quinta-feira, 28.11.13

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 O Bloco de Esquerda desafiou esta quarta-feira todas as bancadas parlamentares a juntarem-se ao voto de condenação que os bloquistas vão apresentar pelo assassinato em Angola, em 2012, de dois ativistas políticos.

 

"A Assembleia da República deve condenar estes assassinatos, deve condenar a repressão e o ataque a direitos fundamentais no regime angolano", defendeu Pedro Filipe Soares. Foto: retirada do portal Maka Angola

Os dois ativistas mortos, como assumiu a Procuradoria Geral da República angolana em comunicado, são os ex-militares Isaías Cassule e Alves Kamulingue, raptados na via pública, em Luanda, a 27 e 29 de maio de 2012.

"Fizemos um desafio, um convite a todos os grupos parlamentares para que juntamente connosco apresentassem um voto de condenação pelos assassinatos políticos que aconteceram em Angola", anunciou o líder parlamentar do Bloco, Pedro Filipe Soares, em declarações aos jornalistas no final da conferência de líderes.

No voto são condenados "os assassinatos de Alves Kamulingue e Isaías Sebastião Cassule" e feito um apelo "à libertação de todos os presos políticos em Angola e ao fim da repressão e do autoritarismo no país".

De acordo com o texto do voto do Bloco, que será votado na sexta-feira, há poucos dias foi publicado em órgãos de comunicação social "não tutelados pelo regime", "um relatório oficial do Governo" que dá conta que Alves Kamulingue e Isaías Sebastião Cassule foram "torturados e assassinados".

No voto é ainda recordado que os dois ativistas foram raptados pelos serviços de segurança de Angola a 27 e 29 de maio de 2012, no seguimento de uma manifestação de veteranos e desmobilizados do exército, que reivindicavam a atualização do valor das suas pensões o seu pagamento atempado.

"Estes ativistas angolanos estiveram desaparecidos por mais de um ano, desconhecendo-se desde a altura do rapto, o seu paradeiro", lê-se no voto de condenação do Bloco.

"Há um relatório tornado público há dias atrás, que demonstra que dois ativistas políticos foram brutalmente assassinados, um depois de dois dias de tortura acabou por falecer devido a ferimentos e um outro assassinado com um tiro na cabeça, ambos depois de terem sido presos pelos serviços de segurança do regime angolano", acrescentou o líder parlamentar do Bloco, sublinhando que este "ataque a direitos fundamentais deve merecer uma condenação".

No voto, o Bloco lembra ainda que depois de ter sido tornado público o relatório do Governo, para sábado passado foi convocada uma "manifestação pacífica" em memórias dos ativistas torturados e assassinados.

"Esta acabaria por ser violentamente reprimida pelas forças de autoridade, que recorreram a armas de fogo, dispararam sobre os manifestantes e detiveram mais de 300 pessoas, é referido no texto apresentado pelo Bloco.

Pedro Filipe Soares salientou ainda que o partido tem "disponibilidade total" para acordar com as restantes bancadas parlamentares um texto comum que possa ser subscrito por todos.

"Se não houver essa vontade da parte dos outros grupos parlamentares, nós apresentaremos o voto com o texto que temos e dizendo claramente que não aceitamos, que condenamos, que a Assembleia da República deve condenar estes assassinatos, deve condenar a repressão e o ataque a direitos fundamentais no regime angolano", acrescentou.

 

Comissão Coordenadora Distrital do Bloco de Esquerda de Aveiro

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Administração às 00:03

Arrifana continua sem Junta

Terça-feira, 19.11.13


"Afinal ainda não foi desta que Arrifana conseguiu consensos para a criação de um executivo. O Senhor Presidente de Junta tornou uma coisa fácil, em difícil para resolver o problema da freguesia...ele sabe que para se gostar de Arrifana como diz, tem de antes do dia da Assembleia tentar acordos com as outras forças destinando-lhes funções e assinando esses acordos. 

Se assim o fizesse tenho certeza que a freguesia já estava com executivo logo na primeira Assembleia. Como todos sabemos é preciso saber ser humilde, para se chegar à viabilização de um executivo. 

O Senhor Presidente de Junta tem no Governo da Nação, que por sinal até é do seu partido, o exemplo claro em que o Primeiro Ministro cedeu à 3ª força política mais votada, cedendo o lugar de vice primeiro Ministro...e isto foi para não se criar uma crise política no país...mas aqui em Arrifana parece estar em primeiro lugar a vontade própria do que propriamente a freguesia. 

Perante esta situação o Senhor Presidente de Junta não tem o direito de dizer que gosta muito de Arrifana...não é só ele que gosta porque se assim fosse, não haveria mais ninguém a concorrer ao ato eleitoral, em especial o grupo de cidadãos independentes, que sem o apoio de qualquer força partidária, saíram à rua em defesa da sua terra, para evitar que ela continuasse a ser mal gerida, como as circunstâncias o mostram. 

Uma Junta que chegou ao ponto de não ter dinheiro para pagar as reparações das suas ferramentas de trabalho....e esta situação foi criada por quem?

Pelo partido PSD que lidera a freguesia há 28 anos. Agora penso que não vale a pena entrar em vitimização, porque como tenho dito as vítimas são os Arrifanenses e Arrifana, que vai continuar sem governação, e os prejuízos vão ser muitos e poderiam ser muito e bem evitados pelo Senhor Presidente de Junta." Texto de Zulmiro

Autoria e outros dados (tags, etc)

Bloco quer redução do IMI

Segunda-feira, 18.11.13

 

Câmara Municipal de Santa Maria da Feira anunciou que quer manter os valores de IMI e de derrama praticados no concelho.

 

O Bloco de Esquerda discorda desta opção e quer ver uma redução no IMI cobrado aos munícipes, apresentando 3 razões essenciais para que tal venha a acontecer:

     1) Muitas famílias que no passado tiveram recursos económicos para adquirir casa própria estão hoje a viver muitas dificuldades. É bem sabido que muita da chamada classe média desapareceu nos últimos anos;

     2) A esmagadora maioria das famílias está hoje a pagar muito mais IMI por causa das reavaliações que foram feitas no ano passado aos imóveis;

     3) Perante a atual crise, em que os rendimentos baixam e o Governo central leva o que resta em impostos, é necessário que os impostos municipais, cobrados diretamente pela Câmara, baixem, aliviando o esforço financeiro das famílias.

 

Por isso, o Bloco de Esquerda propõe a redução do IMI cobrado no concelho de Santa Maria da Feira. É uma medida que protege os rendimentos das famílias e que as alivia de mais impostos.

 

Propõe ainda que as habitações que se encontrem degradadas ou devolutas sejam alvo, essas sim, de um aumento do IMI, de forma a incentivar, por exemplo, a requalificação do património habitacional, o mercado de arrendamento e de forma a combater a especulação imobiliária no concelho.

 

O Bloco de Esquerda quer também que, em sede de derrama, seja implementada uma taxa reduzida de 1% (em vez dos atuais 1,5%) para comércio e empresas instaladas no concelho que tenham um volume de negócios inferior a 150 mil euros anuais, ajudando assim o pequenos e médios empresários a resistir a um momento de crise económica.

 

Discordamos ainda da forma como o atual presidente da Câmara, Emídio Sousa, abordou a questão da redução de IMI. Disse Emídio Sousa que se quer ter ação social não se pode reduzir impostos. É uma afirmação falsa e demagógica. Falsa porque nenhum Orçamento se baseia apenas em receita proveniente do IMI e despesa para ação social; demagógica porque tenta fazer crer que a carga de impostos a que força as famílias do concelho servem para ação social, o que não é inteiramente verdade.

 

A quebra de receitas do IMI devem ser compensadas com poupanças a vários níveis na autarquia: redução de orçamento para publicidade e marketing feito pela Câmara; redução da despesa com licenças de software ou redução das despesas que advêm da encargo com a dívida. Destas e doutras poupanças pode surgir orçamento para reforçar a ação social, permitindo, ao mesmo tempo, reduzir os impostos sobre as famílias e sobre o pequeno comércio e a pequena indústria.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Administração às 19:42

Mais uma Assembleia em Arrifana

Segunda-feira, 18.11.13



O kaska&deskaska numa visita às redes sociais encontrou o descontentamento dos cidadãos.

Delfim Silva reprovado no teste de avaliação autárquico. Com tantos desentendimentos a Junta de Freguesia de Arrifana, parada há anos na evolução pára agora definitivamente até que novo teste seja realizado. Novas eleições para Arrifana. Será? Ou haverá mais uma tentativa?


HOJE HÁ NOVA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA. CONTINUARÁ DELFIM REPROVADO?


A visão fala de Arrifana aqui

O Correio da Manhã aqui

O Terras da Feira também fala de arrifana aqui


Muitos jonais emitiram já opiniões em realação a esta terrinha. Resta esperar o desfecho de uma história de AMOR cheia de ÓDIO à mistura.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Administração às 18:35

Porque será?

Sábado, 02.11.13
[foto do blog de Arrifana]
Por que será que esta postagem (fotomontagem) foi retirada do blog de Arrifana?
"Esta 3ª feira (22 de Outubro) vai decorrer a tomada de posse da nova Junta de Freguesia de Arrifana pelas 21 horas no salão da Junta. O vencedor das eleições foi Delfim Silva e a primeira Assembleia de Freguesia da nova legislatura vai servir para a eleição dos restantes 4 membros da Junta de Freguesia, assim como a eleição da Mesa da Assembleia. A lista do PSD venceu com 907 votos e teve mais 52 votos que a lista segunda classificada do PS. Os 13 elementos da Assembleia estão distribuídos 5 para o PSD, 5 para o PS, 1 para o PND, 1 para a UPA e 1 para o CDS. Além dos membros do PSD, resta saber como votarão os restantes membros. Será que vão viabilizar o executivo através da exigência das suas propostas no orçamento, assim como a auditoria e quem sabe lugares na Mesa da Assembleia ou mesmo na Junta? Ou será que se vão opôr à vontade dos Arrifanenses, votando contra a tomada de posse da lista de Delfim Silva e exigir que o Estado gaste dinheiro noutro acto eleitoral que até pode dar mais votos à equipa de Delfim Silva?
Consta-se que o elemento que recebe mais preces à data é António Belo e que Alcino Monteiro será a pessoa mais disponível para ajudar na solução.
Depois do 13 de Outubro em Fátima, segue-se o 22 de Outubro em Arrifana." In Blog de Arrifana

Arrependimento mata. Terá sido por causa disto?

Autoria e outros dados (tags, etc)

PS em sua defesa

Sábado, 02.11.13
Os elementos eleitos pelo Partido Socialista para a Assembleia de Freguesia de Arrifana vêm junto de V. Exa requerer ao abrigo da Lei de Imprensa a publicação na íntegra do presente comunicado e no exercício do direito de resposta em virtude das declarações proferidas pelo Sr. José Manuel Oliveira no seu artigo de opinião publicado por V. Exa no vosso sobre o título Arrifana merece mais.

 

Os elementos eleitos pelo PS à Assembleia de Freguesia de Arrifana vêm publicamente repudiar as afirmações proferidas neste artigo de opinião por as mesmas serem ofensivas do bom nome e honra dos visados e não reproduzirem a verdade dos factos, com este tentando induzir os Arrifanenses em erro, pelo menos os que não estiveram presentes na reunião de 29 de Outubro de 2013.

O Partido Socialista desde a primeira hora que transmitiu ao elemento mais votado e eleito Presidente de Junta, Delfim Silva, que não iria aceitar qualquer lugar quer para o Executivo, quer para a mesa da Assembleia de Freguesia. Assumindo assim, clara e de forma leal e verdadeira, o resultado das eleições autárquicas de 29 de Setembro de 2013: Ser oposição.

Repudiamos profundamente a tentativa de responsabilizar o PS pela incapacidade do eleito Presidente de Junta aceitar negociar as propostas apresentadas pelos demais quadrantes eleitos pelos Arrifanenses, mantendo a postura de querer governar sozinho, contrariando a vontade expressa do resultado democrático dos Arrifanenses.

A viabilização do executivo não passa por apresentar propostas de constituição de executivo, só porque se tem a comunicação social e alguns Arrifanenses pela frente, fazendo crer, de forma desonesta e desleal, que previamente, se comunicou aos visados a indicação para o executivo, apurando da sua disponibilidade e sem lhes transmitir quer o lugar destinado ou o plano de acção ou sequer o projecto. Desrespeitando inclusive a posição assumida pelo PS em ficar na oposição e sem exigência de cargos.

Na única reunião conjunta existente entre todos os líderes de bancada nenhuma dessas propostas foi adiantada, factos desconhecidos do autor da opinião que se limita a tecer comentários insultuosos sobre pessoas e contra factos que não testemunhou e lhe terão, hipoteticamente, transmitido de forma tendenciosa.

Os Arrifanenses merecem ser esclarecidos e não enganados como pretende o responsável pelo artigo de opinião que, consabidamente é conhecido militarizante do PSD que se demitiu do último mandato e de membro do executivo PSD que governou Arrifana nos últimos quatro anos.

Os elementos do PS eleitos não cedem a pressões ou tentativas de coacção, nem esquecem aqueles que em si confiaram e assim os elegeram legitimamente para defesa dos interesses dos Arrifanenses.

A única forma na qual o Partido Socialista e os seus eleitos se revêem e aceitam exercer os seus mandatos na Assembleia de Freguesia de Arrifana em defesa dos Arrifanenses é pela verdade com honestidade e transparência nos seus actos.

Em defesa de Arrifana.

 

31 de Outubro de 2013

P` elementos do PS

Rui Cunha Ferreira

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Administração às 12:59

CDS responde à letra

Sábado, 02.11.13
Caiu a máscara!

 

Delfim Silva, perante uma assistência de cerca de 100 pessoas, mostrou a sua prepotência ao socorrer-se da prerrogativa de liderar uma assembleia para usar da palavra, fazendo um discurso insultuoso e provocador e não permitindo que os visados usassem da palavra em defesa da sua honra.

Cedo começou a mostrar o que tem sido o PSD em Arrifana, e a demonstrar que é para continuar!

 

Imaginemos o que seria se o PSD tivesse maioria absoluta…

 

A omissão é uma arma talvez tão forte quanto a mentira! Porque não disse Delfim Silva no seu discurso, preparado e pensado, que os lugares a negociar com a oposição eram só os dois últimos vogais, fechando completamente a hipótese dos lugares de secretário e tesoureiro? E porque não deu conhecimento prévio aos elementos da oposição de que iria usar os seus nomes nas sucessivas propostas?

O CDS nunca reclamou nenhum lugar para si, mas obviamente não se revê neste cenário monopolista.

Entendemos que, para haver confiança entre os eleitos, a comparticipação de lugares deveria ser aberta.

O CDS não está contra tudo nem contra todos como o Sr. Delfim Silva referiu, o que se comprova com o facto de ter sido o CDS a sugerir a reunião com todos os cabeças eleitos das cinco listas, onde todos poderiam estar cara a cara, deixando o odioso das negociações individuais e promessas de amor eterno!

António Belo tomou as decisões em consciência e em concordância com os membros da sua lista, em reuniões promovidas para o efeito. Assim é a democracia!

Pela verdade, por Arrifana!

CDS Arrifana

Arrifana, 31 de Outubro de 2013

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Administração às 12:51


Comentários recentes

  • Anónimo

    Este paraquedista so falou da zona de lazer de Aze...

  • Anónimo

    APOIADO NO QUE AFIRMASMUITO OBRIGADO

  • Anónimo

    Acham que esse candidato deveria ter ganho? Para u...

  • Anónimo

    TU DEVES SER MAIS QUE PARVO, OU TENS UM RABO MUITO...

  • Anónimo

    comentário do dia das eleições, só falta o padre d...

  • Gertrudes Pinheiro

    Olá Kaskaedeskaska a Banana!Alguém me sabe dizer q...

  • Anónimo

    Os ratos fugiram. Vão ter que mentir e depois resp...

  • Anónimo

    vai haver festa

  • Anónimo

    Fiquei CHOCADA com a falta de informação deste com...

  • Anónimo

    Tudo seria fácil se o senhor Delfim Silva tivesse ...






subscrever feeds