Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




calendário

Abril 2007

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930


Pesquisar

 


Simplesmente Páscoa

Domingo, 08.04.07

 

O final do período da Quaresma, põe fim aos jejuns e à abstinência da carne. Na Páscoa, tira-se a barriga de misérias. Come-se o cordeiro, ou borrego, que simboliza Cristo sacrificado em favor do seu rebanho. O pão e o vinho, simbolizam a vida eterna, o corpo e o sangue de Jesus, oferecido aos seus disciplos.

 

O costume de presentear com ovos de chocolate remonta à Antiguidade, para celebrar o começo da Primavera. Os cristãos primitivos da Mesopotâmia foram os primeiros a usar ovos coloridos na Páscoa, como forma de representar a alegria da ressureição, agora sim, numa alusão a Cristo. Com a diferença que nessa altura não eram feitos de chocolate.

 

Devido à sua capacidade de reprodução, no antigo Egipto, o coelho simbolizava a nova vida.  A Igreja Católica adoptou o coelho como símbolo pascal, por significar a capacidade de produzir novos discíplos. Uma lenda conta que uma mulher pobre pintou ovos e escondeu-os num ninho para os dar aos filhos. Quando as crianças descobriram o ninho um grande coelho passou a correr, dando origem à história de que o coelho é que trouxe os ovos.

 

As amêndoas são o ícone das guloseimas da Páscoa em Portugal. Até à Idade Média, era costume comer amêndoas cobertas com mel, uma especialidade bastante apreciada pelos gregos e romanos. Eram recomendadas como um bom remédio para os pulmões e como digestivo. Começaram depois a ser confeccionadas com açúcar e hoje são trocadas por milhares de pessoas por altura da Páscoa.

 

Doce ou salgado, o folar faz parte das tradições gastronómicas da Páscoa. O bolo em forma de “folar” significa a vinda do Espírito Santo. Diz a lenda que a tradição  surgiu em Pavia (Itália), onde um confeiteiro teria presenteado o rei Lombardo Albuíno com a goluseima. Por causa disso o soberano, teria poupado a cidade de uma cruel invasão.

 

As celebrações da Páscoa são muito anteriores a Cristo. Nessa altura os pobres nómadas celebravam a chegada da Primavera, mais tarde foi adoptada pela Igreja Católica para celebrar a ressureição de Cristo, no primeiro Domingo depois da Lua cheia do Equinócio de Março. Tal como qualquer outra festa religiosa, é plena de tradições, seguidas à risca.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bangawoyo às 15:58

Depois da rádio vem...!

Sábado, 07.04.07

"Um empresário da comunicação social de Santa Maria da Feira é acusado por um funcionário de tentativa de estrangulamento. O empresário Marcelo Reis nega e garante que tudo não passa de um «esquema» para lhe tentar «extorquir dinheiro»"(...)

"O empresário diz ser ele vítima de «terrorismo» por parte deste e outros funcionários, que têm infernizado a sua vida pessoal «com blog’s na net e telefonemas a qualquer hora da noite». «O que esse senhor me está a fazer é tentar reunir provas para me extorquir dinheiro».
O empresário que, recentemente, perdeu a concessão que tinha numa rádio local, tem sobre ele um outro processo por agressão a um outro funcionário." In Diário de Aveiro

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Boa Páscoa!

Sábado, 07.04.07

Autoria e outros dados (tags, etc)

Páscoa ou Férias?

Sexta-feira, 06.04.07

Longe vão os tempos em que o período da Quaresma era vivido intensamente, respeitando-se os rituais e os costumes cristãos. Eram 40 dias de reflexão e preparação para o “grande” acontecimento, no domingo de Páscoa, data em que se comemora a Ressurreição de Cristo. Hoje, quando se fala de Páscoa, a maior parte das pessoas, cristãs ou não, associa esse período a férias. A maior parte ruma em direcção ao Algarve ou outros destinos, à procura do brilho do sol. Os estudantes pensam em excursões de finalistas. E os pais aproveitam a ausência dos filhos para aliviarem da pressão do dia-a-dia. Só uma minoria mantém a tradição.
Além dos 40 dias de “estágio” para a Páscoa, a Igreja propõe formas para as pessoas se prepararem, que se reflectem em oração mais intensa, penitência a caridade.

A Semana Santa começa com o Domingo de Ramos, que celebra a entrada de Jesus em Jerusalém, com uma missa para bênção de pequenos ramos e prossegue quinta-feira, com um conjunto de celebrações. Realiza-se uma missa em todas as dioceses do País, em que os bispos reúnem com todos os padres, convidando-os a renovarem as suas promessas. E é o dia da bênção dos óleos utilizados  na unção dos doentes e baptizados. À noite, realiza-se a missa do lava-pés, em que o padre, recordando a Ceia de Cristo com os Apóstolos, lava simbolicamente os pés a alguns cristãos.
Sexta-feira de manhã, Jesus foi levado para o Calvário e crucificado. Nesse dia, além das vias-sacras, adora-se a Cruz, como símbolo da morte de quem deu a vida pelas pessoas.

Sábado não há cerimónias. É dia de silêncio. Só pela madrugada há uma vigília. No domingo retomam-se os rituais de festa, relembrando os momento em que as mulheres encontraram o túmulo vazio! E assim se encerra a Semana Maior. Com o dia de Páscoa ou de festa. Como rezam as homilias eucarísticas e as próprias amêndoas com que os padrinhos mimam os afilhados! E assim continua a tradição. Mesmo em tempo de férias!

Bispo compreende saídas para férias D. Serafim Ferreira e Silva, bispo da diocese de Leiria-Fátima, não dramatiza o facto de a maioria das pessoas celebrar a Páscoa fora dos seus locais habituais de vida ou trabalho. Explica que “os fenómenos culturais são complexos e evolutivos e a vida social tem também essa componente de cultura”.  A comunidade cristã, diz, durante muitos séculos, celebrou e viveu toda a tragédia/interpelação do que se chamava Autos da Paixão, fosse no palco, na rua ou na igreja, através da teatralização ou procissões. Só que “o fenómeno chamado globalizante ou de certo materialismo, não apenas prático, mas mesmo com componentes filosóficas, descentraliza o factor religioso”. E, segundo o bispo, as comemorações da Páscoa, que são sempre no início da Primavera, são nos tempos de hoje tentações acrescentadas para o lazer. Nada que constitua um drama, de acordo com D. Serafim, já que a Páscoa “pode ser vivida com a mesma intensidade, onde quer que as pessoas estejam”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Administração às 18:26

Musgos I

Sexta-feira, 06.04.07

Vista assim até parece estar tudo bem...

“É com grande contentamento que registo e aplaudo o reparo que o Senhor Zulmiro Familiar deu à estampa – neste mesmo espaço – a propósito do estado de aparente abandono – que é mais visível na ilharga norte – da imponente e veneranda Igreja Matriz da Freguesia de S. Nicolau da Feira.” in Terras da Feira

Pertinente e objectivo este artigo de Opinião do amigo Óscar Maia.

Como referimos neste post, o convento dos Loios está em degradação e é feita a chamada de atenção por um cidadão do concelho que mesmo não sendo da freguesia, revessa o seu olhar para a beleza de outras bandas. Óscar Maia, vem agora reforçar a “miséria” inequívoca em que se encontra a igreja Matriz, um imóvel secular deixado à mercê dos fiéis que nada por ele conseguem fazer. São os valores da religião postos em causa pelas modernas igrejas e esquecidas as riquezas de um passado que é ao mesmo tempo o nosso presente.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Professor sofre...

Sexta-feira, 06.04.07

Profissão a erradicar do país

Autoria e outros dados (tags, etc)

Zona de lazer em Fornos

Quinta-feira, 05.04.07
Mais um exemplo de um espaço público bem aproveitado, dentro do nosso concelho.
Para quem não conhece ainda, recomendo uma visita ao parque de Fornos, que fica junto à Igreja.
Um local de recreação agradável e bem tratado para quem quer fazer um piquenique, andar a pé, ler, ouvir música, levar os miúdos a passear ou brincar no parque infantil… Também dispõe de local próprio para quem quiser fazer uma churrascada com os amigos ou família.
Mais uma comparação inevitável em relação à nossa “billa”, que lamentavelmente continua parada no tempo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Porque estamos na Quaresma!

Quarta-feira, 04.04.07

Mais um atentado ao ambiente? A Direcção Geral das Florestas prepara-se para proceder ao abate de 500.000 pinheiros entre Sines e Aveiras de Cima. O argumento para tal é a doença de que padecem. Se considerarmos que cada uma destas árvores com 50 anos consome 400 toneladas de dióxido de carbono por ano o quanto não vai sofrer o nosso tão depauperado ambiente com esta razia de abate de pinheiros. Valha-nos Deus.

 

Até quando vamos andar a discutir a OTA? A teimosia do Primeiro Ministro leva as pessoas a indiciar que existem outros interesses por trás da persistência na construção do Aeroporto na OTA. Conceituados técnicos sistematicamente argumentam com os graves problemas no futuro, não só com a construção, com a segurança do próprio aeroporto como ainda com a impossibilidade de ampliação no futuro. O Ministro Mário Lino referindo-se à eventual reapreciação dos estudos, diz que não acredita em milagres, eu também não acerdito em bruxas mas como dizem nuestros hermanos “Que las hai, hai”.

 

125 anos depois da descoberta para a cura da tuberculose ainda morrem 1.500.000 pessoas por ano. Em Portugal existem 3.000 doentes tuberculosos. Com o tempo como tem estado muito cuidado com as pessoas de mais idade para que essa praga não venha a bater à porta de nenhum dos nossos.

 

Os recentes acontecimentos no Benfica-Porto de domingo passado têm dado azo a acusações a tudo o que meche. Tudo é muito simples, não foi a PSP que acompanhou a claque do Porto até ao Estádio? Não foi a Segurança do Benfica com a PSP, que fiscalizou antes e durante o jogo a claque do Porto? Então de quem é a culpa? Do Porto? Então e a cadeira que caiu perto do fiscal de linha enviada do lado dos No name boys, de quem foi a culpa? Do Papa? Se o Benfica pagou e bem à PSP, se o Benfica pagou e bem à Segurança que lhe compete, para mim os únicos culpados do que veio a acontecer é somente incúria da PSP e da Segurança do Estádio. Porque vândalos há-os em todas as claques.

 

O Ministro Manuel Pinho não perde uma oportunidade de ser notícia, sempre pela negativa. Desta vez saiu-se com mais uma estupidez de apelidar de “palerma” o Deputado Mendes Bota. É claro que teve de rectificar o que disse e não devia ter dito. O homenzinho não tem mesmo emenda, cada cavadela cada minhoca.

 

Parlamento resolveu antecipar as votações para o dia de terça-feira para que os deputados possam faltar a partir de hoje de forma a que como dizia Mota Amaral possam estar com as famílias e com os eleitores (?). Para quê? Como vergonha é palavra que não consta no vocabulário desta gente, só se for para receberem os folares da Páscoa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fumar MATA

Quarta-feira, 04.04.07

 

Se você fuma leia esta notícia, estar actualizado previne não só doenças que o podem levar à morte como o alertam para o cuidado de não ter de pagar nenhuma multa.

 

“Os fumadores que insistam em fumar em áreas proíbidas poderão pagar uma multa que vai dos 50 até aos mil euros. A nova legislação do Governo, já enviada para a Assembleia da República, prevê ainda multas para estabelecimentos e fabricantes de tabaco que não cumpram as novas regras.”

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Arrifana e o futuro

Terça-feira, 03.04.07

De quando em vez o tema do desmembramento do concelho de Santa Maria da Feira é abordado.

Esta hipótese de desmembramento foi já lá vão imensos anos intentado em Arrifana pelo então Presidente da Junta – Dr. Francisco Gomes da Cruz (recentemente falecido), e que lhe veio a custar numa valente coça dada pelo então grupo opositor liderado pela Família dos Leites.

Muitos anos depois esse assunto voltou à baila aquando do triste e célebre episódio do fecha, não fecha da Escola EB-1 de Manhouce .

Agora que os ânimos estão mais calmos, muito embora muita e boa gente jamais perdoe a Dário Matos o ter assumido a posição de Pilatos, seria interessante referendar-se em Arrifana a possibilidade de desertar do concelho de Santa Maria da Feira e juntar-se ao concelho de São João da Madeira. Não que a situação fosse viável, pois estou em querer que face à legislação actual esta hipótese seria improvável e rejeitada pelo Governo.

Também é verdade que numa futura conjuntura de reformulação administrativa nacional será uma realidade mais que evidente a passagem de Arrifana e Milheirós de Poiares, do concelho de Santa Maria da Feira, Macieira de Sarnes e Cucujães do concelho de Oliveira de Azeméis para o vizinho e só concelho de São João da Madeira.

A verdade é que as verbas atribuídas a um concelho como São João da Madeira com freguesia única são muitíssimo mais expressivas que as atribuídas a um concelho como o de Santa Maria da Feira com 31 freguesias, entre as quais 3 cidades.

Uma obra como a levada a efeito na zona ribeirinha de São João da Madeira obviamente tem um impacto muito maior que uma obra similar levada a efeito pelo concelho de Santa Maria da Feira.

São João da Madeira tem saneamento há imensos anos, fruto da visão futurista dos Presidentes de então e da enorme vantagem de serem concelho, cidade e freguesia única. Na Feira a aposta foi outra – o Europarque , terá sido a melhor? O futuro está para aferir de quem teria razão.

Certo é que a situação actual é absolutamente insustentável pois as populações são as mais sacrificadas graças a guerrilhas políticas que por um lado pretendem alargar os seus horizontes – São João da Madeira e por outro pretendem manter o seu feudo – Santa Maria da Feira.

Arrifana que é uma das freguesias de fronteira acaba inevitavelmente por ser uma das mais prejudicadas com estas guerrilhas. Calcorreamos passeios em terra ou aos altos e baixos, enquanto ali ao lado são os passeios em pedrinha de basalto e calcário. Vamos passear a zona ribeirinha vizinha que é um regalo para a vista enquanto a nossa é um perfeito ultraje ao nosso olfacto e à vista desarmada vê-se silvas, algumas pedras alinhadas e um lago de merda ”. Num lado vêem-se patos, no outro rãs e uma enormidade de seres esvoaçantes que normalmente chafurdam no esterco. Num dos lados vemos as estradas a serem recuperadas e perfeitamente transitáveis, no outro vemos os buracos a aumentarem e estradas dignas de um “safari”. Num lado vemos jardins com relvas e flores no outro silvas, erva, patas de cavalo e lixo com fartura.

Perante isto e muito mais que ficará por dizer, não será de começarmos a pensar muito seriamente numa deserção da Feira e numa futura anexação ao vizinho concelho de São João da Madeira?

Coloquem-se as paixões de lado, resguarde-se o coração que nos puxa para um dos lados, e racionalmente comecemos a pôr os neurónios a funcionar de forma a vermos as coisas sim pelo lado da razão e não pelo lado da paixão.

Lanço o repto de o nosso blog fazer um referendo local e de os visitantes ao nosso blog comentarem este que não é mais que um pensamento isolado mas feito com realismo.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentários recentes

  • Anónimo

    Este paraquedista so falou da zona de lazer de Aze...

  • Anónimo

    APOIADO NO QUE AFIRMASMUITO OBRIGADO

  • Anónimo

    Acham que esse candidato deveria ter ganho? Para u...

  • Anónimo

    TU DEVES SER MAIS QUE PARVO, OU TENS UM RABO MUITO...

  • Anónimo

    comentário do dia das eleições, só falta o padre d...

  • Gertrudes Pinheiro

    Olá Kaskaedeskaska a Banana!Alguém me sabe dizer q...

  • Anónimo

    Os ratos fugiram. Vão ter que mentir e depois resp...

  • Anónimo

    vai haver festa

  • Anónimo

    Fiquei CHOCADA com a falta de informação deste com...

  • Anónimo

    Tudo seria fácil se o senhor Delfim Silva tivesse ...






subscrever feeds



Pág. 5/6