Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




calendário

Abril 2007

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930


Pesquisar

 


Sinalética em queda livre

Segunda-feira, 30.04.07


Isto é a nova maneira de desorientar os condutores, que precisam de se orientar através destes sinais descaídos. Os condutores que não conhecem a zona, ficam completamente baralhados e sem saber se devem ir para a esquerda ou para a direita, tudo isto porque as setas estão caídas e em direcção contrária. É mais uma prova do desleixo e falta de atenção dos nossos autarcas incompetentes

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Guia de marcha para os Açores

Segunda-feira, 30.04.07

Tantas vezes o Kaska e Deskaska colocou o homem fardado, que não é que lhe deram guia de marcha para os Açores!

Qual será a freguesia priveligiada que vai ficar com o nosso Presidente da Xunta.

Não se faz.

Atão agora que ele estava a começar a fazer umas obritas lá prós lados da casa dele é que amandam o homem prós Açores? E logo prós Açores?

Será por aquilo abanar um bocadito de vez em quando que o mandam pra lá?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Informação Cultural

Domingo, 29.04.07

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mais Poluição

Sábado, 28.04.07

Kolaborador_7 mais uma vez à procura de atentados ao ambiente. Desta vez quando regressava da vila de Cesar, fiz um pequeno desvio saindo da estrada que liga Cesar a Macieira de Sarnes , desvio esse que antigamente era a mesma estrada, uma pequena curva que foi cortada para que a estrada ficasse mais a directo, ficando este bocado a servir de parque, que podemos considerar para descanso dos  automobilistas  quando se sentem mais cansados.

 Mas como a foto ilustra não é nada disso, é um “ecoponto” de despejos de lixos e entulhos, aos quais, as autoridades policiais e locais, fazem vista grossa. Agora digam lá se é ou não uma tristeza? Continuamos sempre a poluir, mesmo quando julgamos que estamos num país adepto das novas tecnologias. O civismo e a cultura dos portugueses ainda se encontra na era primitiva, onde a cultura ambiental ainda não chegou.

Não sei a que Município pertence, mas seja quem for seria importante mandar limpar, porque é vergonhoso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por kolaborador_7 às 13:54
editado por Administração às 19:45

E agora? Ganda noia!

Sexta-feira, 27.04.07

O cântaro tantas vezes vai à fonte que alguma vez lá há-de ficar” ou “pela boca morre o peixe”, são dois ditados populares, mas o baixinho do PSD vai ter de optar por um deles no que ao Senhor Carmona diz respeito.

Quem se deve estar a rir neste momento são os Senhores Valentim e Isaltino.

Pois é Senhor Marques Mendes, e agora com o Senhor Carmona como vai ser?

É mais um Autarca para o desemprego?

Só porque foi constituído arguido?

Então num País dito democrático alguém poderá ser condenado antecipadamente até que a sentença transite em julgado?

Alguém no seu bom senso poderá afirmar a pés juntos que o homem vai ser condenado?

Comece-se a tratar destes assuntos com alguma seriedade. Afinal qualquer Presidente de Câmara ou qualquer Vereador deste País em qualquer momento da sua vida autárquica pode ser constituído arguido, por muitas e variadíssimas razões, mas se mais não for, só porque houve uma denúncia, mesmo que infundada. E todos nós sabemos como tem funcionado o Ministério Público neste País, primeiro avisam-se os jornais e as televisões, depois prende-se com um enorme aparato policial e de preferência com cenas bem à maneira norte-americana, com carros de polícia dissimulados, muitas sirenes, polícias de gorro na cabeça e carros a chiar em grandes velocidades, depois ouvem-se os denunciados de preferência até às 4 da madrugada, e no final são constituídos arguidos com TIR – termo de identidade e residência, caucionados ou em prisão preventiva (os menos conhecidos). Passados uns quatro a cinco anos faz-se o julgamento e os processos são arquivados por … falta de provas.

É a eterna história das grandes notícias vindas a público em abertura de telejornais, notícias de parangona nos jornais, perfeitos enxovalhos públicos, que volvidos alguns anos dão … em absolutamente nada (veja-se os casos de António Vitorino e de Duarte Lima) .

Pelo meio, ficou a imagem denegrida de réu (mesmo que sem fundamento), a condenação em primeira instância pelos jornalistas, o olhar de soslaio pelos conterrâneos, do tipo que “quando as pegas cacarejam anda ninho por perto”, o virar de costas por parte dos "pseudo" amigos (os verdadeiros mantêm-se fiéis e sabem ajuizar), enfim, é como que o desabar do mundo sobre um indivíduo que teve a infelicidade de criar inimizade com alguém menos correcto e que este um dia lhe resolveu "fazer a folha".

E depois?

Pois, é a eterna questão, faz-se de conta que nada se passou, recomenda-se calma nas atitudes, tolerância para quem ajuizou mal numa primeira fase e esquecer tudo o que se passou. Palavras bonitas e de circunstância mas, que jamais conseguirão repor a verdade e voltar a dar a imagem de ser impoluto e correcto que tanta custa a conquistar ao longo de uma vida.

Exige-se por isso muita ponderação, isenção e sentido de justiça a quem tem o poder de a aplicar neste País, e que o respeito pelo “arguido” seja o mesmo que por um inocente, que o é, até prova em contrário.

Até lá, o Senhor Carmona independentemente de já ter sido julgado e sentenciado por muitos, só lhe falta a mais que esperada absolvição, porque muito sinceramente custa-me acreditar que existam provas, é que se existissem alguns indícios, alguém no seu bom senso acreditaria que o PS e a CDU tivessem votado ao lado do PSD o negócio Bragaparques em Lisboa?

É mais uma situação idêntica à do canudo de Engenharia do Senhor Sócrates. Alguém no seu bom senso acreditava que o homem deixava chegar as coisas ao ponto a que chegaram se existissem provas que o pudessem comprometer?

Autoria e outros dados (tags, etc)

E.B.1s não encerram...

Quinta-feira, 26.04.07

 

O Nosso pasquim traz hoje uma notícia bastante agradável para a “billa”.

“Ao contrário do último ano lectivo, não está previsto o encerramento de qualquer escola do 1º Ciclo no concelho da Feira. “A menos que, no decurso da elaboração da rede, se conclua que alguma escola tenha menos de 10 alunos” – ressalva Octávio Soares, responsável pelo CAE. “ In Terras da Feira

Manhouce que se prepare para estar atento às matrículas, não vá o diabo tecê-las.

Uma outra novidade que para muitos não tem nada de novidade, foi vir a público que: “Ao nível do 1º Ciclo, as orientações centram-se em dois objectivos principais: o fim dos regimes duplos (o regime de desdobramento de horário) e dos chamados regimes mistos (quando um professor ministra matérias de anos diferentes na mesma sala de aula).” In Terras da Feira Vamos esperar para ver, dado ainda custar a acreditar nestas novas medidas.

Será importante dizer ainda, que um professor do 1º ciclo  está neste momento a leccionar vários anos ao mesmo tempo, e é claro com o mesmo número de horas a que tem direito um único ano lectivo. Se esta medida for verdadeira, ficamos todos a ganhar: Alunos, professores e pais que podem descansar, porque sabem que o seu filho terá um professor disponível a 100% para ele e não pela metade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Assembleia de Freguesia

Quinta-feira, 26.04.07

Hoje pelas 21.30h vai realizar-se mais uma daquelas Assembleias de Freguesia, que se fala muito e nada se faz. Mesmo sabendo que não vou tirar nenhum proveito daquilo que vou ouvir, vou ser um assistente atento. Quanto mais não seja para continuar a dizer que aqueles membros da Assembleia não passam de um bando de otários preguiçosos.
Deixo aqui o meu apelo aos Arrifanenses mais interessados na Freguesia, a sua presença vale sempre muito, pelo menos intimida quem julga que não existem pessoas interessadas nas poucas ideias, quase idiotas dos governantes.
Aparece e verás que te divertes, sem pagares nada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A "Bilha" às 11am

Quarta-feira, 25.04.07

Fotos (1)  (2)  (3)

 

Quem a viu e quem a vê, este 25 de Abril nada teve a ver com o do ano passado. Sem adereços, sem manifestações, sem pompa nem circunstância. Comemorou-se “inside Cambra”, desta vez quase nem se deu conta do que hoje se celebra. Quem pôde passar por lá (eu), conseguiu ver as ruas quase sem movimento. Posso concluir que hoje em dia já não se vive o 25 de Abril como outrora, limitamo-nos a usufruir do feriado nacional que assinala a Liberdade. Tal como nos disse O nosso Presidente da República “Cavaco Silva” está na hora de mostrar às gerações mais novas o que é o 25 de Abril, e aqui em Santa Maria da Feira, é necessário repensar a forma como se vive este dia. Hoje foi apenas mais um feriado em que se cumpriram os ritos governamentais da praxe e em que uns discursos mais ou menos ousados se fizeram ouvir pela boca dos políticos que durante o ano parecem esquecer a conquista de há 33 anos, A LIBERDADE.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Liberdade tem destas coisas...

Quarta-feira, 25.04.07

Faz hoje um ano, que a população de Arrifana, especificamente a do lugar de Manhouce, juntou-se à Associação de Pais da sua escola e à Associação da E.B.1 da Mata, esta  com menos sorte no término de uma luta que culminou numa manifestação às portas da Câmara Municipal da cidade de Santa Maria da Feira (sede de Concelho).

Manhouce, reivindicava um direito adquirido, queria manter a sua escola a funcionar, uma vez que os critérios para o encerramento das escolas do 1º ciclo não se coadunavam minimamente  com esta. Uma escola com mais de 20 alunos, óptimas instalações, uma Associação de Pais empenhada no crescimento social e pedagógico daquelas crianças. Não havia justificação coerente, para a deslocação de 38 crianças para as E.B.1s vizinhas que apresentavam piores condições para poderem ser escolas de acolhimento. Foi um 25 de Abril de 2006 diferente, podemos hoje ver a escola a funcionar em pleno, graças ao empenho e persistência da Associação de Pais, que com a colaboração de “todos os populares” da região puderam levar a sua luta a bom termo. Lamenta-se que ao fim de um ano, quer a Câmara, quer a Junta de Freguesia, não tenham estado do lado desta escola, nem tenham sequer falado no assunto ao longo de todo este tempo.

Hoje, relembramos que o 25 de Abril de 1974, foi de facto uma passagem histórica importante, pois graças a ela, podemos “bater o pé” e confrontar aqueles de quem discordamos. Não vamos ter uma manifestação neste 25 de Abril de 2007, mas vamos ter a lembrança, e sobretudo a esperança de não ser necessário trazer à memória este dia, de bandeira em punho. Nós temos o direito de discordar, opinar, sugestionar e até mesmo de dizer basta!

Parabéns ao povo corajoso de Manhouce, que soube fazer valer os seus direitos, e mostrou que apesar de ser da “parte baixa da billa”,  ele existe.

VIVA A LIBERDADE, VIVA MANHOUCE!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Violência Doméstica Mata + do Que o Cancro

Segunda-feira, 23.04.07

Sabendo que o cancro, é um dos maiores flagelos mundiais, onde vitima milhões de pessoas em todo o mundo, nem quero acreditar que a violência doméstica esteja na frente deste grande flagelo, como é noticiado numa revista credível em Portugal. Faço um apelo a todas as pessoas que verifiquem maus tratos domésticos , não se inibam de os denunciar, porque só assim faremos com que haja uma sociedade mais justa e fraterna. Denunciem, porque é um caso humanitário.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentários recentes

  • Anónimo

    Este paraquedista so falou da zona de lazer de Aze...

  • Anónimo

    APOIADO NO QUE AFIRMASMUITO OBRIGADO

  • Anónimo

    Acham que esse candidato deveria ter ganho? Para u...

  • Anónimo

    TU DEVES SER MAIS QUE PARVO, OU TENS UM RABO MUITO...

  • Anónimo

    comentário do dia das eleições, só falta o padre d...

  • Gertrudes Pinheiro

    Olá Kaskaedeskaska a Banana!Alguém me sabe dizer q...

  • Anónimo

    Os ratos fugiram. Vão ter que mentir e depois resp...

  • Anónimo

    vai haver festa

  • Anónimo

    Fiquei CHOCADA com a falta de informação deste com...

  • Anónimo

    Tudo seria fácil se o senhor Delfim Silva tivesse ...






subscrever feeds



Pág. 1/6