Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




calendário

Novembro 2006

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930


Pesquisar

 


Escola a Tempo Inteiro??

Sexta-feira, 17.11.06

Ontem, foi assinado o contrato de prestação de serviços, entre a Câmara Municipal de S. João da Madeira e as entidades gestoras do programa “Escola a Tempo Inteiro”. De facto esta cidade nada tem a ver com a nossa “bilha”. Desde o início do ano lectivo, que a Câmara de S. João da Madeira “não aceitou muito bem” as exigências do Ministério da Educação, dado que as actividades extra-curriculares já funcionavam nesta cidade há muitos anos, e, com sucesso. No entanto, tudo parecia chegar deformado, mas esta instituição soube dar a volta por cima e continuar um projecto com sucesso, continuando esse mesmo sucesso, e contrariando o Ministério da Educação, não quiseram organizar sozinhos este programa lançado pelo ministério. Envolveram várias instituições que têm ao longo destes anos, mostrado competência e trabalho reconhecido nesta área. Foi assim, que convidaram para trabalhar com eles, o Instituto de Línguas para leccionarem o Inglês aos 3º e 4º anos; Os ATLs Gente Miúda e Santa Casa da Misericórdia para leccionarem expressão plástica e dramática, aos 1º e 2º anos; a Academia de Música para leccionarem Educação Musical a todos os anos e ficaram com a responsabilidade de contratarem professores de educação física a própria Câmara. O Apoio ao Estudo ficou da responsabilidade dos Agrupamentos de Escolas. Desta forma a Câmara de S. João da Madeira vê um projecto com pernas para andar. Sendo assim, podemos dizer que trabalho dividido, sucesso garantido. Para além de sentirem que estas aulas são dadas por profissionais acreditados e a Escola a Tempo Inteiro funcionará em pleno.

Santa Maria da Feira, precisa de ir ter aulas a S. João da Madeira, o nosso amigo “Fredo”, presidente da (des)organização, bem pode ler este post e reflectir. Por cá as coisas são bem diferentes, a falta de professores continua, a desorganização é visível e as parcerias parecem funcionar bastante mal. Dei-me ao trabalho de investigar um pouco sobre este assunto e de facto a Escola a Tempo Inteiro na nossa cidade é um caos. Os alunos passam a vida a deslocarem-se de um canto para outro, os professores passam a vida a mudar, as condições nas escolas são catastróficas, falta de funcionários para organizar as saídas e entradas dos alunos, são os professores que “perdem” uma data de tempo a tomar conta de crianças, há ainda falta de professores e estamos a um mês do final do 1º Período. Uma professora dizia-me com um ar triste e cansado que estava ali por necessidade, não tinha emprego, porque aquilo para ela era somente tomar conta de crianças. Queixava-se da falta de apoios, de má organização, material nem vê-lo, etc, esta é a nossa “bilha”, esta é a nossa Escola a Tempo Inteiro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por sednaa às 15:04

6 comentários

De Aborrecido a 17.11.2006 às 16:51

Concordo que São João da Madeira tem sido exemplar na área da Educação mas, comparemos o que pode ser comparável. Se a Feira levasse por diante um projecto idêntico ao de São João da Madeira seria melhor fechar a Câmara e enviar todo o seu dinheiro únicamente para a educação. Estamos a falar de meia dúzia de escolas num lado e aproximadamente uma centena no outro. Claro que é de ser evidenciado o esforço e óptimo trabalho que São João da Madeira tem levado a cabo nomeadamente com a Dra. Fátima Roldão, mas repito comparemos o que comparável pode ser.

De Anónimo a 17.11.2006 às 19:20

Comparemos o que é comparável, concerteza , então comparemos também as verbas atribuídas a um lado e ao outro.. S.J . da Madeira tem o privilegio de ser uma cidade que não tem freguesias para gerir, sem dúvida que ajuda, mas temos de salientar que também recebe muito menos verba para a educação. É de dizer que a Feira recebe proporcional ao que tem, pena que não tenha nestes últimos 20 anos gerido bem esses dinheiros e na maioria das vezes o dinheiro da educação é canalizado para outras situações que nada têm a ver com a educação. Se a Feira gerisse melhor acredito que não precisaria de fechar a câmara para ter um simples projecto de Escola a Tempo Inteiro.

De Anónimo a 18.11.2006 às 01:04

Mas a Cambra tem dinheiro para gastar em prendas de Natal para toda a gente e para os filhos dos empregados!! Afinal de contas comparemos ou não comparemos? Dinheiro para gastar em jantares de Natal há?? alugueres de europarque há? para luxúrias há? Então sejamos correctos, só não há porque nãos e quer. Eu trabalho e ninguém em dá prendas de natal nem aos meus filhos, se as quero compro-as, porque razão a Cambra tem de gastar tanto dinheiro dos contribuintes em presentes para os filhos de outros? Pensemos com o cérebro.

De Aborrecido a 20.11.2006 às 09:32

Vamos falar claro. As prendas que são distribuídas pelos funcionários da Cambra sempre foram distribuídas pelas crianças há mais de vinte anos e quem as distribui são os Serviços Sociais dos Funcionários não a própria Cambra. Cada funcionário mensalmente desconta a sua cota para os Serviços Sociais, essa verba é destinada a comparticipar medicamentos, subsídios para livros escolares no início de cada ano e ainda para comprar as referidas prendas para as crianças até aos dez anos de idade. A inovação (má diga-se) é a oferta da ceia de Natal, e digo má porque, isto é nitidamente para o Segundo mostrar serviço na AEP. É que pagar uma taxada no Europarque ao serviço de catering que presta serviço à AEP não será por certo assim tão barato quanto isso.

De Anónimo a 20.11.2006 às 13:55

"Cada funcionário mensalmente desconta a sua cota para os Serviços Sociais, essa verba é destinada a comparticipar medicamentos, subsídios para livros escolares no início de cada ano e ainda para comprar as referidas prendas para as crianças até aos dez anos de idade." bonito isto, cada um de nós já desconta e muito par a segurança social, e tem uns direitos de merda , desconta para saúde, para reforma , para tudo o que podem imaginar e no fim o que reparo é quem tem empregos de sorte tem ainda mais direitos usufruídos pelos seus descontos, nós os não funcionários públicos descontamos e não temos direitos nenhuns nem o direito e querer descontar para ter prenda no fim. Sei que há funcionários públicos que também descontam muito e não têm essas regalias das Câmaras, Juntas, etc.

De Atento a 20.11.2006 às 16:10

Pelos visto há quem não goste das comparações, mas infelizmente são a realidade. SJM está sempre acima, a Feira quer abarcar o céu e a terra e depois não sai nada de jeito. Freguesias a mais, porque não se dividem? tanta rivalidade para quê, o importante era a qualidade de vida das pessoas.

Comentar post



Comentários recentes

  • Anónimo

    Este paraquedista so falou da zona de lazer de Aze...

  • Anónimo

    APOIADO NO QUE AFIRMASMUITO OBRIGADO

  • Anónimo

    Acham que esse candidato deveria ter ganho? Para u...

  • Anónimo

    TU DEVES SER MAIS QUE PARVO, OU TENS UM RABO MUITO...

  • Anónimo

    comentário do dia das eleições, só falta o padre d...

  • Gertrudes Pinheiro

    Olá Kaskaedeskaska a Banana!Alguém me sabe dizer q...

  • Anónimo

    Os ratos fugiram. Vão ter que mentir e depois resp...

  • Anónimo

    vai haver festa

  • Anónimo

    Fiquei CHOCADA com a falta de informação deste com...

  • Anónimo

    Tudo seria fácil se o senhor Delfim Silva tivesse ...