Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




calendário

Novembro 2006

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930


Pesquisar

 


A Saúde ou a doença?

Quinta-feira, 16.11.06

A privatização das instituições de saúde não parece ser favorável aos fornecedores de medicamentos.

“Dados da Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (Apifarma), citados pela agência Lusa, indicam que os 35 hospitais transformados em Entidades Públicas Empresariais (EPE) são os principais devedores às empresas farmacêuticas, registando uma dívida global de 407 milhões de euros. O deputado social-democrata Carlos Miranda questionou ontem a equipa dirigente do Ministério da Saúde sobre esta matéria, no Parlamento, durante uma reunião conjunta das comissões de Saúde e Finanças. Na resposta, o secretário de Estado da Saúde, Francisco Ramos, não aludiu aos montantes em dívida e referiu apenas que não havia lugar ao pagamento de juros por parte dos hospitais. ”

Este tipo de notícia é boa para esclarecer a opinião pública, eu diria mesmo o “pobo”, que na maior parte das vezes não sabe como funcionam as coisas e são os que sofrem na pele a gestão horrível do governo. Quando ouvimos falar em aumentos na saúde pensamos logo que afinal ninguém se importa com os doentes, é verdade, os doentes vão começar a pagar caro as suas doenças. Se os hospitais estão com dívidas enraizadas nas suas contabilidades a única solução será fazer o doente pagar um pouco mais. A "privatização" dos hospitais vem dar uma ajudinha ao estado, este descarta-se da sua inteira responsabilidade que é fornecer gratuitamente a “saúde” a todos os cidadãos, é um direito que nos assiste, sendo assim, e perdendo este direito, o cidadão passará a ter mais um encargo ao qual não poderá dignar-se a dizer que não quer, pois a doença bate à porta de quem menos espera por ela. Pagar para estar no hospital é mais uma mediada sensacionalista do nosso primeiro, de facto ele tem um pensamento muito além do que é a realidade empírica, ele associa-se ao explicado cientificamente, basta um inquérito encomendado a uma empresa qualquer e daí saem as maiores barbaridades, dado que os estudos são sempre feitos nos locais errados. Depois de vários estudos conclui-se que se os doentes tivessem de pagar a sua saúde, seria uma boa forma de “morrer” mais cedo e assim facilitar as futuras reformas a pagar num futuro próximo. A segurança social não terá dificuldade em manter os seus cofres recheados com a população que trabalha para descontar, desta forma a população não chegará a velha, nunca teremos uma população envelhecida, é desta que o nosso primeiro se quer ver livre, ficarão somente os velhos ricos, os pobres morrerão mais cedo e não será assim necessário pagar reformas, medicamentos, enternamentos, etc, a tanta gente. O nosso primeiro é sem dúvida um cérebro macabro e de teorias sensacionalistas, faz prever um futuro radiante, sendo capaz de iludir o “pobo” com estabilidade, conseguida através dos desgraçados que daqui para a frente viverão para trabalhar em função de “manter” um população rica que irá usufruir daquilo que eles próprios construíram.

Quem vai ser a classe média? Irá haver essa classe? Penso que vamos ter apenas pobres e ricos...

S. Sebastião, um hospital de que nos devemos orgulhar, tem sido eficiente nas estatísticas, embora com alguma descida nos últimos anos, mas as realidades são outras, só quem o frequenta pode falar. Muitas horas de espera por uma consulta tão simples como tentar curar uma febre alta…e dizem os médicos, “Vá ao centro de saúde” e perguntamos nós: “ Quando a febre tiver passado ou quando tivermos morrido Sr. Doutor? Não sabe que para ter um consulta temos de marcar com muita antecedência? Agora também temos de prever a febre?” As vagas (não vaga de calor) essas nem sempre se conseguem e há que recorrer ao hospital.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por sednaa às 15:06

3 comentários

De Aborrecido a 16.11.2006 às 17:41

Que este País vai de mal a pior já todos nós sabemos e óbviamente a saúde é quem mais "come" por tabela e tudo isto porque um iluminado se lembrou um dia de analisar a saúde à luz do aspecto economicista e enquanto assim for desgraçado de quem tem de acorrer a um Hospital como o São Sebastião, das duas uma ou melhora rápido ou então terá mais duas oportunidades desenrascar-se por outro lado ou encomendar o último sobretudo. É que caros amigos cada um de nós é um número não um ser vivo, e quando começa a "avariar" ou tem dinheiro para pagar aos médicos particularmente ou se estiver à espera da saúde governamentalizada está tramado. Pobre País este que quer apostar nos universitários e retira dinheiro às universidades, quer-nos mais felizes e aumentam os impostos, querem-nos mais saudáveis e dão ordens aos hospitais para cortar na assistência médica. O problema é que eles só querem, não fazem é rigorosamente nada. É quase caso para dizer volta Salazar que os teus pecados já expiraram.

De Pé de aço a 16.11.2006 às 21:26

Eu cá escolho a saúde, já não se pode ficar doente, Deus nos livre de tamanha cena, doença fora, já não bastam as esperas ainda vamos acabar nos hospitais s sermos tratados por auxiliares de acção médica...

De Eu a 17.11.2006 às 14:22

Qunando na saúde as coisas são vistas assim que podemos dizer mais do resto? Da educação, das finanças, da polícia, do desporto etc etc, não se faz melhor porque dá jeito.

Comentar post



Comentários recentes

  • Anónimo

    Este paraquedista so falou da zona de lazer de Aze...

  • Anónimo

    APOIADO NO QUE AFIRMASMUITO OBRIGADO

  • Anónimo

    Acham que esse candidato deveria ter ganho? Para u...

  • Anónimo

    TU DEVES SER MAIS QUE PARVO, OU TENS UM RABO MUITO...

  • Anónimo

    comentário do dia das eleições, só falta o padre d...

  • Gertrudes Pinheiro

    Olá Kaskaedeskaska a Banana!Alguém me sabe dizer q...

  • Anónimo

    Os ratos fugiram. Vão ter que mentir e depois resp...

  • Anónimo

    vai haver festa

  • Anónimo

    Fiquei CHOCADA com a falta de informação deste com...

  • Anónimo

    Tudo seria fácil se o senhor Delfim Silva tivesse ...